sexta-feira, 27 de março de 2009

A sensação de conforto foi miraculosa. Aconteceu-nos aquele momento que ainda não tinha sido descoberto, tão lânguido, tão dado, tão recebido; tanta ternura numa posse plena de alegria, plena de juventude; os corações de ambos rejuvenesceram, rejubilaram, saltaram para fora dos peitos para se unirem ainda mais e, nessa posse eterna, quando a água já arrefecia, descobrimos que o amor é a mais bela criação na Natureza.
— Nunca amei assim, lp
— Nunca amei assim, Simone.
E selámos estas palavras com um beijo nos lábios febris.
Depois, minha mulher, ainda naquela preguiça desfalecida que vale oiro para um homem, disse-me:
— Tens que ensinar o teu gato a ser mais discreto.
Olhei para o lado. E ele lá estava, o Querido Gato, iluminado pelas velas, sentado no banco, lambendo a boca como que a saborear o nosso doce beijo.
E agora, amigos, chegou a altura de pôr ponto final a estas crónicas. A intimidade de um lar é para se viver de portas adentro.
lp

FIM

1 comentário:

Gata Lili disse...

ohhhh...não acaba com as crônicas
não. :)

Fofa, vou lançar uma hiper promoção no blog amanhã. Passa lá, participa e divulga no seu blog, se possível. Quero ver todos meus amigatinhos e novos tb participando. lambs... :))))